Dados Técnicos
O menino Alcides
ISBN 978-85-366-0777-1
Contos - JS 4201
Formato 14 x 21 cm - 164 páginas
1ª Edição - Ano 2007

Disponível para venda na Livraria Asabeça, Rua Dep. Lacerda Franco, 187, Pinheiros, São Paulo, SP, CEP 05418-000, telefone (11) 3031-2298 ou na Livraria Virtual Asabeça
O menino Alcides
O livro O menino Alcides, de Clemente de Lolo Filho, trata-se de um garoto negro, foi abandonado recém-nascido na porta de um barraco na Favela da Girafa. Teve a felicidade de ser criado por uma mãe adotiva muito dedicada e amorosa. Era um garoto inteligente e foram-lhe fornecidas todas as condições necessárias para se preparar para o vestibular da Faculdade Federal de Medicina. Muito dedicado aos estudos foi aprovado com notas altas e tornou-se um brilhante professor da referida faculdade. Como se pode concluir, não é a riqueza ou a origem que determina o sucesso no vestibular, mas sim a oportunidade de se fazer um preparo bom, se o aluno estudar bastante. As reprovações nos vestibulares nada têm a ver com a cor, a raça...depende apenas do preparo do aluno.
Clemente de Lolo Filho
Natural de São Joaquim da Barra, pequena cidade do Nordeste do Estado de São Paulo, filho de Clemente de Lolo e Victória Scismotti. Viveu uma infância tranqüila e despreocupada, num ambiente campesino, cercado de criaturas modestas e amigas. Sem abandonar o estilingue, a bola de meia, o pião, o papagaio... Concluiu o curso primário e o de Música, do Maestro da Banda de Música, do Maestro da Banda de Música. Foi para Orlândia, onde ingressou no Liceu Municipal, que possuía um corpo docente muito capacitado, sob a direção iluminada do Professor Geraldo Rodrigues, que se empenhava para que os alunos concluíssem o curso ginasial com bom aproveitamento. Ao mudar-se para o Rio de Janeiro ingressou na Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil, na Praia Vermelha onde se formou em 1945. Em São Paulo fez vários cursos de aperfeiçoamento em Medicina Interna. Prestou concurso para Médico da Força Aérea Brasileira, onde trabalhou até 1964, quando precisou se afastar por motivos de saúde. Por mais dez anos trabalhou na Organização de Serviço Médico de Empresas. Em 1988 mudou-se para Belo Horizonte, vestiu o uniforme da aposentadoria e pôs-se a percorrer os caminhos da imaginação para compor músicas e escrever livros.