Dados Técnicos
O Poeta e o Silêncio
José Osório Filho

Scortecci Editora
Poesia
ISBN 978-85-366-0659-0
Formato 14 x 21 - 76 páginas
1ª edição - 2008
O Poeta e o Silêncio
Tenho sentimentos que se eu pudesse dar cor e forma, eu daria mais amor à humanidade e melhor sentido aos corações dos homens. Ao contrário do que escrevo, amo as coisas; mais do que qualquer pessoa a imagine e esta notoriedade que existe em mim pelo universo, é como um mentor, me lança ao sofrimento; horas por sentir tanto diante do mundo e às vezes, por temer a degradação total dos seres vivos.
Sempre que possível, critico duramente a sociedade; a minha experiência só é válida quando se transpõe, por isso procuro fazer com que o povo se auto-analise, diante de si próprio e das demais coisas que os envolvem.
Poderão ficar decepcionados aqueles leitores ávidos por revelações de certos poemas. No entanto, procuro descrever o povo, tentando mudar o poder do Estado, através de seus heróis políticos, como se esse fosse o caminho certo.
São palmares as comprovações de que o sistema político universal há tempo caiu no descrédito incomensurável, dando sinais que falece competência de sua continuidade, certamente um outro modo de administrar a coisa pública deverá surgir, dependendo do grau de conscientização da sociedade, poderá ser melhor do que este, só não será igual ou pior do que o sistema atual, pois o regime político da forma que é administrado é o pior sistema já até então visto em qualquer sociedade evoluída, só perde para os regimes ditatoriais, e por outro lado usurpa o homem levando-o ao último estágio da miséria humana e da alienação política cultural.
Há de se entender que o povo só precisa de uma evolução de personalidade, caráter, cidadania e probidade administrativa, e, para palmilhar nesse propósito só há uma estrada a ser perseguida, a educação, sem essa base fundamental percuciente ora questionada, não há como se amenizar essa disparidade existente no bojo da sociedade. Pois o sistema político da maneira como é manejado, apenas faz galopar a passos largos o crescente aumento da miséria humana e em conseqüência dela surge a mutilação intelectual das classes paupérrimas e intermediarias.
José Osório Filho

José Osório Filho, nasceu em uma manhã de fevereiro na localidade “Caldeirão”, zona rural no município de Amarante-PI, no entanto foi registrado como Florianense, filho de Osório Mendes Vieira e Vicença Lopes de Sousa, seus genitores eram lavradores, sendo que com cinco anos de idade ficou órfão de pai, iniciou seus estudos na Escola Municipal “José Miguel” na localidade Cocalinho, zona rural do Município de Floriano-PI, sendo transferido posteriormente para a Unidade Escolar Ribeiro Gonçalves, na cidade de Floriano-PI, onde terminou o ensino primário, aos dezesseis anos de idade foi obrigado a deixar a cidade de Floriano, a busca de trabalho, como possuía um tio na cidade de São Paulo, mudou-se de domicilio para a capital paulista, com o intuito de trabalhar e estudar, chegando naquele Estado, com um baixo nível de instrução e menor de idade, o mercado de trabalho nada tinha para lhe oferecer, por essa razão só conseguia empregos clandestinos, sendo seu primeiro emprego servente de pedreiro, na Av. Paulista, no centro da cidade, onde trabalhou durante dois anos na construção de um prédio de quarenta e dois andares, após o termino do prédio foi trabalhar de guarda de estacionamento, ajudante geral de fabrica de produtos químicos, ajudante de frigorífico, ajudante de metalúrgica, agente penitenciário da casa de detenção de São Paulo e Cadeia Pública do Hipódromo, no Bairro Brás e finalmente escrevente da Secretária de Justiça de São Paulo, após oito anos de duro labor, trabalhando o dia inteiro e estudando a noite, vivendo em moradias sub-humanas de pensão em pensão, no ano de 1979, terminou o ensino fundamental e em 1983, conseguiu terminar o ensino médio ambos no Colégio Estadual de 1º e 2º grau do Estado de São Paulo, no Bairro Liberdade e logo em seguida ingressou na Congregação do Sagrado Estigma de Jesus Cristo, (congregação dos padres estigmatinos), iniciando o primeiro ano de Filosofia na Universidade Católica de São Paulo. Em 1984, sentido a total ausência vocacional para o sacerdócio, deixou o seminário e prestou vestibular para o curso de direito na Faculdade de Direito da Universidade São Francisco de São Paulo, mantida pela Congregação dos Franciscanos, tendo sido aprovado em último lugar dentre as quarenta vagas existentes naquele curso, bacharelou-se em direito no ano de 1989, é pós-graduado em educação (docência do ensino superior) pela Universidade Estadual do Piauí, pós-graduado em Direito Penal e Processo Penal pela Universidade Federal do Piauí e Escola Superior de Advocacia do Piauí.
Em março de 1987, publicou seu primeiro livro “O Ponto Caótico da Vida”. Pela Editora “Pannartz” de São Paulo, sendo que naquela mesma data tornou-se sócio da UBE – União Brasileira de Escritores do Estado de São Paulo, inscrito sob nº 2.586 é advogado militante na região Sul do Estado do Piauí, inscrito na OAB-SP, sob o nº 102.486 e OAB-PI, nº 80/90-B.
Sobre José Osório Filho, posso garantir, sem quaisquer falsos elogios, apesar de sermos parentes, nasceu o mesmo para a poesia, pois é um poeta nato, não se prende ao metro, nem padrões. No entanto, vejo em suas poesias uma força superior de engenhosidade artística.

São Paulo, 10 de janeiro de 2001.

Frei Albino Koops
Professor e Vice Reitor da Universidade São Francisco.