Dados Técnicos
Japoneses Imigrantes... E Eles Ficaram Ricos no Brasil?
José Carlos Ferreira

Scortecci Editora
História
ISBN 978-85-366-1183-9
formato 14 x 21 - 284 páginas
Japoneses Imigrantes... E Eles Ficaram Ricos no Brasil?
Neste livro o leitor vai encontrar relatos da história da imigração japonesa, ilustrados por casos de amizade, de amor, de incompreensão, de perseverança, de determinação, de sofrimento, mas finalmente, de sucesso. Poderá ler também as trapalhadas da contra-espionagem do serviço secreto americano, cujos elementos terminavam frustrados diante das tolices que inventavam.
Os imigrantes ficaram ricos?
O Brasil inteiro pode responder:
Se muitos não ficaram ricos no estrito sentido monetário,  conseguiram transmitir aos seus filhos e netos a força da persistência, da disciplina, do hábito de estudar e do desejo de aprender, aliados ao indispensável trabalho. Muitos descendentes ficaram ricos.
Por outro lado, o certo é que o Brasil sim, com certeza, ficou rico com o trabalho dessa gente.
A arraigada disciplina dos japoneses lhes permitiu que, mesmo em condições adversas e trabalhando duramente, conquistassem o merecido espaço dentro da sociedade brasileira, à qual tanto ajudaram a progredir.
Os descendentes, vitoriosos na vida acadêmica e profissional, personificam a tradição, o trabalho e a disciplina, alicerçados na educação recebida de seus pais.
José Carlos Ferreira

O propósito que o gaidjin José Carlos Ferreira, advogado aposentado, teve para escrever este romance foi o de revelar fatos omitidos na História oficial.
Através de seus personagens conta histórias, onde fantasias são mescladas com fatos reais sobre a chegada dos primeiros imigrantes no navio Kasato Maru. Eles interagem com a História a partir da Revolução Menji, passando pela decisão de uma família japonesa partir para o Brasil, que ao chegar aqui verificou que o cafeeiro não era uma produtora de poupança para o imigrante, e que a propaganda que incentivava a partida para o além-mar, era mentirosa.
Para os fazendeiros, a chegada dos imigrantes representou a salvação da lavoura brasileira, sendo eles bem recebidos pela população brasileira, ainda que muito reservados. Todavia, as coisas azedaram quando aconteceu o ataque à Pearl Harbor. No Brasil, a imprensa apresentava tendenciosas notícias incentivando o ódio aos nipônicos, através dos jornais, das rádios e de noticiários cinematográficos que eram projetados nos cinemas, antes da apresentação do filme principal. Difundia-se apenas a versão que interessava aos americanos.

Logo após aquele ataque, toda a população nikkey nos Estados Unidos foi internada em campos de concentração, onde permaneceu de 1942 a 1945.
A seguir, todos os nipônicos residentes no Peru foram retirados à noite de suas casas e embarcados em navios para serem repatriados para o Japão. O serviço secreto americano seqüestrou todos eles, confinando-os no campo de concentração de Cristal City, no Texas. Pretendiam trocá-los por americanos aprisionados pelo exército japonês nas Filipinas e em outros países da Ásia
Sob o aspecto da guerra, para desfazer essas mentiras veiculadas, o autor resolveu escrever também sobre aqueles que emigraram para o Peru e os Estados Unidos, mostrando que naqueles países, os nipônicos tiveram problemas muito maiores que no Brasil.
Face à grande contribuição que os imigrantes japoneses trouxeram ao país é, pois, com justa razão que o Brasil inteiro aplaude as merecidas homenagens, que as autoridades e a própria comunidade japonesa festejam, com muito orgulho, o primeiro centenário da chegada dessa laboriosa gente.