Dados Técnicos
A Filosofia Da Felicidade
Carlos César Alário

Scortecci Editora
Filosofia
ISBN 978-85-366-1519-6
Formato 14 X 21 cm 
92 páginas
1ª edição - 2009
A Filosofia Da Felicidade

O amor que pode elevar o homem a sua realidade é um amor que não necessita de retribuição. A felicidade que eleva o homem a sua essência é o resultado da felicidade sentida por todos. A verdade que não engana o homem é a verdade do seu interior. A virtude e a tolerância formam um caminho sólido que o homem pode trilhar sem arrependimento. Mesmo sabendo de tudo isso, para se encontrar, o homem trava a batalha mais covarde do Universo: a do seu EGO terreno contra o seu EU divino. Como o homem vive na forma terrena, torna-se muito difícil para ele entender os mistérios da natureza que o degola.

Toda morte é certa! Certo?

A morte nada mais é do que o momento em que a mente se desmaterializa. É o momento em que a alma se separa do corpo. Esta separação é necessária e fatal.

Não é com isso que devemos nos preocupar. Devemos nos preocupar com o remorso de, após a nossa morte, não termos vivido plenamente felizes.

Se pretendemos desfrutar de uma felicidade duradoura, independente da nossa posição social, precisaremos entender a natureza da nossa existência e aceitá-la como ela é, e não como gostaríamos que fosse.

Não devemos acreditar no que nossos olhos veem. Tudo que eles mostram é limitação. Entendendo as Leis dessa nossa Natureza de Existência descobriremos o que está oculto, e passaremos a enxergar com os olhos do nosso EU superior e divino, sem a limitação imposta pelo nosso EGO terreno e materialista.

A Filosofia da Felicidade tem o objetivo de mostrar um caminho digno de ser seguido, onde possamos usufruir de uma felicidade, porém, não uma simples felicidade, mas de uma felicidade duradoura.

Carlos César Alário
Carlos César Alário é Administrador, Matemático e profundo estudioso de filosofia e esoterismo. Esta sua pesquisa sobre a felicidade nos leva a uma reflexão sobre a vida, e faz com que repensemos os nossos objetivos e a nossa conduta diante dos obstáculos do nosso cotidiano. Com muita tranquilidade, o autor esclarece as consequências, boas e ruins, que o nosso eu e o nosso ego nos proporcionam, respectivamente, em nossos dias.