Dados Técnicos
Virtude
Antonio Junior
Scortecci Editora
Romance
ISBN 978-85-366-1553-0
Formato 14 X 21 cm 
116 páginas
1ª edição - 2009
Virtude
Em Virtude, o autor cria uma história forte e dinâmica, personagens conflitantes e verossímeis, porém, tanto a história quanto seus personagens, são meros instrumentos para discussões filosóficas, onde tudo é levado em consideração na formação da personalidade.

O autor ainda faz questão de explicitar quais foram suas influências para Virtude, ao transcrever, muitas vezes in verbis, trechos de obras de outros escritores, como Drummond, Graciliano Ramos, Bertolt Brecht, Nietzsche, Dostoievski e Kafka.

A leitura de Virtude propiciará ao leitor não apenas um contato com um estilo contemporâneo, com uma narrativa forte e dinâmica, e com personagens vivos, mas principalmente, proporá ao leitor discussões maiores, muitas vezes complexas demais à primeira vista.

Virtude não é um livro apenas para ser lido, é uma experiência à ser vivida.
Antonio Junior

Antonio Junior iniciou-se no mundo da literatura em 2003, quando publicou simultaneamente em português, inglês e francês O azul do céu (The blue of the sky/Le blue du ciel). Na referida obra, ainda de forma embrionária, o autor trazia discussões sociais e psicológicas, mormente quanto a percepção do indivíduo e suas questões pessoais, sua angústia ante a frieza e indiferença comuns nas grandes cidades. Em 2004, publicou Noite, onde priorizou o estudo da personalidade e dos conflitos pessoais. Em 2005, em Morte, o autor confirmou o estudo do indivíduo como tema favorito de seus trabalhos, amadurecendo o aspecto existencialista, nítida influência do pensamento sartriano. Morte desempenha um papel importante na biografia do autor. A partir dele os personagens adquiriram o conflito necessário às discussões que o mesmo se propunha a fazer. Escreveu ainda Um domingo qualquer, Os olhos de Yasmim, A janela e O invisível, onde experimentou os temas e a estética literária, inserindo em textos em prosa, elementos poéticos, como figuras semânticas (ambigüidade, gradação e metáfora), e figuras sintáticas (aliteração, assíndeto, e anacoluto).