Dados Técnicos
Nos Trilhos da Poesia
Manoel Oliveira
Scortecci Editora
Poesia
ISBN 978-85-366-4452-3
Formato 14 x 21 cm
128 páginas
1ª edição - 2016
Nos Trilhos da Poesia
A obra "Nos Trilhos da Poesia" refere-se a histórias com teor cômico de uma maneira poética, ilustrando temas tanto do cenário ferroviário quanto alheios. Algumas histórias condizem com a realidade, outras são apenas fictícias.
Manoel Oliveira

Desde criança já me interessava por poesias. Posso citar como exemplo minha primeira poesia, chamada “A casa”, elaborada quando tinha entre nove e dez anos de idade. Posso citar também “Não”, escrita posteriormente, também em minha infância. Já na adolescência, passei a escrever algumas letras de música que guardava numa pasta particular. Tendo Raul Seixas como principal ídolo, juntamente com alguns companheiros pensei em montar uma banda de rock. Adquirimos alguns instrumentos para tal e até chegamos a musicar e ensaiar algumas de minhas letras, porém a ideia acabou por ficar no esquecimento devido à correria cotidiana e situação financeira, a qual nos impulsionava mais e mais ao trabalho assalariado.

Somente em 2007 retomei minhas ideias no mundo poético, já na função de maquinista. No trabalho acabei passando por algumas situações que me inspiraram a criar histórias com teor cômico e pequenos exageros, que na maioria dos casos não devem ser levados em consideração por parte dos líderes ou funcionários da ferrovia em geral por se tratar de textos fictícios. No final de 2012 fraturei a tíbia e a fíbula num acidente e fiquei imobilizado por alguns meses. Com isso, enfim consegui ficar parado frente ao computador para dar continuidade às minhas obras. Os poemas “Geleira do esquecimento” e “Tíbia e fíbula” relatam perfeitamente essa fase.

Parte do conteúdo deste livro refere-se a histórias do cotidiano ferroviário de uma maneira fictícia, porém baseada em fatos reais. Por isso, fez-se necessário elaborar um glossário com intuito de explicar alguns termos ferroviários para que todo leitor tenha como compreender e interpretar certas palavras. Talvez haja nesse glossário termos que não sejam considerados como termo ferroviário, mas por se tratar de palavras inusitadas foram incluídos também.
Manoel Oliveira