Dados Técnicos
Miscelânea
Leão Moysés Zagury
Scortecci Editora
Poesia
ISBN 978-85-366-5367-9
Formato 14 x 21 cm 
44 páginas
1ª edição - 2018
Miscelânea
Conversando fiado - Não sei como iniciar esta crônica. O tema recusa-se a aparecer. Tem sido assim durante um tempo. Então vou conversando fiado com o leitor até aparecer alguma coisa interessante. Recentemente Macapá comemorou o Dia Nacional da Cultura. A data, muito significativa, alerta para não esquecermos que a cultura nunca precisa de um dia, mas de todos os dias. Cultura é o fazer diário de um povo. Todas as manifestações devem ser preservadas. É verdade que o brasileiro adota alguns costumes vindos de outras terras. Contudo, precisamos manter nossos valores. Eles são a razão de existirmos. Não estou dizendo que sejamos radicais em atitudes, mas valorizarmos cada vez mais a cultura brasileira. Leis podem ser feitas para preservação e real incentivo cultural. Além dessas, outras precisam ser criadas com a finalidade de defesa desse patrimônio. Elas devem ser elaboradas com base na realidade a fim de darem certo. O que estou colocando é o seguinte: não adiantam leis bonitas no papel, mas que não funcionem na prática. [...]
Leão Moysés Zagury
Leão Moysés Zagury nasceu em 11 de fevereiro de 1954 no Rio de Janeiro (RJ) e posteriormente mudou-se com os pais para Macapá (AP). Realizou seus estudos nas duas cidades. Tem, como influências literárias, Camões, Fernando Sabino, Cecília Meireles, Fernando Pessoa, Guimarães Rosa, além dos espíritos-escritores Emanuel, André Luiz, Patrícia, Allan Kardec, Antônio Carlos, Irmão X, Irmão Jacob, dentre outros. Sua primeira poesia, Retorno, foi escrita nos anos 70, quando descobriu, então, que podia ser um poeta. A ela seguiram-se outros textos, destacando-se um poema em homenagem à Dona Sara, sua bisavó desencarnada, que consta do livro Cidade sem rosto. Começou a publicar livros na década de 90: Ciranda Matinal I e II (poemas), Cidade sem rosto (poemas), Expectativa I e II (poemas, crônicas, curiosidades, análises literárias etc.). Atualmente está trabalhando na obra Textos finais, já em fase conclusiva. Em 2004 entregou à Biblioteca Pública Elcy Lacerda o Acervo Cultural Leão Moysés Zagury (1991 a 2004) em sua primeira parte, durante as comemorações de aniversário da instituição. Também elaborou dois CDs culturais: Ciranda matinal e Cidade sem rosto, nos quais insere a música dentro da literatura de modo harmonioso.