A DESPEDIDA DO PALACETE / Valdinar Monteiro

“A despedida do palacete” fala do último dia em que o advogado e procurador da Câmara de Marabá deixa a sala onde trabalhou durante cabalísticos doze anos. Confessa seu apego ao lugar, aos costumes, às pessoas e o incômodo pela mudança. Considero que fica implícito, para não dizer hermético, o significado desta mudança. O Palacete Augusto Dias é um prédio histórico da cidade de Marabá, localizado no núcleo pioneiro onde surgiu a povoação original, em uma praça carregada de história.

No dia em que conheci pessoalmente o procurador Valdinar, em uma visita que lhe fiz em uma das minhas idas à cidade de Marabá, por conta da atividade universitária que ali exerço, ele fez questão de me mostrar todas as dependências daquele edifício que ele conhecia em todos os seus detalhes. Ciceroneando-me cerimoniosamente pelo palacete, revelava o afeto que criara por aquele território onde se materializava o drama da população do município. Ali era seu ponto de referência, dali ele se posicionava para a cidade e para o mundo. Sair dali era simbólica e fisicamente custoso, quase uma deposição forçada por forças ocultas, levando a uma frase de tom demissionário, ou deposicionário, definitivo, quase uma morte, ao comunicar, por telefone, à esposa, que de lá acabara de sair: “Acabo de deixar o Palacete ‘Augusto Dias’!” Ler Valdinar Monteiro de Souza é dialogar com a existência, é esgrimar o verbo, é exercitar ideias e, por isso, A Despedida do Palacete vem como uma proposta de filosofar à sombra de frondosas árvores, como nos tempos pré-socráticos. Proponho que se aceite o que ele oferece como perspectiva dialógica e verão se tenho ou não razão para recomendá-lo neste prefácio que encerro para que trilhemos, sem mais delongas, o diário digital deste domador de palavras.
Gutemberg Armando Diniz Guerra

Valdinar Monteiro de Souza, entre tantos outros predicados de que lhe dotou a Providência, tem a virtude de ter sido agraciado com admirável capacidade intelectual. Advogado e jurisconsulto da Câmara Municipal de Marabá, possui, além do bacharelado, especialização em Direito Administrativo. Em que pese o prestígio que detém, é um homem de hábitos moderados. Nascido de família humilde, teve nos ensinamentos de suas origens, por certo, seu doutrinamento à virtude de ser comedido. Costuma falar pouco. Quase sempre – como convém aos sábios –, o estritamente necessário. Apaixonado por direito e gramática, o autor – quiçá por exigência do ofício ou por reclamo do coração – vive com a cabeça mergulhada em livros. Mas, como de si mesmo sói ele dizer, advogado nem sempre descansa “arrazoando, contra-arrazoando ou fazendo alegações finais em processos”. No seu caso, entre uma e outra jornada, para variar, escreve crônicas. E é como cronista que o bacharel advogado deixa-se desvelar: pai afetuoso, esposo dedicado; um cristão profundamente devotado à família e à fé que professa. De si mesmo, assume, quando escreve, ser um “romântico quase incorrigível”. Valdinar é mesmo assim. Um apaixonado pelas corriqueirices da vida. Talvez, por isso, um homem simples, não dado a vaidades; sóbrio, modesto. E quão modesto ele é! Conquanto tenha suas crônicas publicadas em livros, revistas e jornais; lidas e apreciadas mundo afora, ainda assim insiste em se autodefinir como autor de “insignificâncias literárias”. Não raro, refere-se a si mesmo como “cronista de meia-tigela”. Não, não o é. Nem poderia sê-lo, dada a afinidade tamanha que tem ele com as palavras. Quem lê Valdinar Monteiro de Souza há de encantar-se com o zelo com que ele constrói cada sentença. Daí, com justiça, a Profa. Dra. Nilsa Brito Ribeiro compará-lo a um escovador de ossos. Sim, isso mesmo: como o arqueólogo, no trato meticuloso de peças fossilizadas, é bem assim que este cronista lapida os textos de sua lavra (escovador de palavras).
Laércio Ribeiro - Editor-chefe da Revista Foco Carajás

Serviço:

A Despedida do Palacete
Valdinar Monteiro

Scortecci Editora
Crônicas
ISBN 978-85-366-4214-7
Formato 14 x 21 cm 
168 páginas
1ª edição - 2015

Mais informações:

Catálogo Virtual de Publicações

Para comprar este livro verifique na Livraria e Loja Virtual Asabeça se a obra está disponível para comercialização.

Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home