A MULHER E A FAMÍLIA NA HISTÓRIA DA IGREJA CATÓLICA / Mário Zocchio Pasotto

Durante muito tempo, pensamos que, com a simples insistência em questões doutrinais, bioéticas e morais, sem motivar a abertura à graça, já apoiávamos suficientemente as famílias, consolidávamos o vínculo dos esposos e enchíamos de sentido as suas vidas compartilhadas. Temos dificuldade em apresentar o matrimônio mais como um caminho dinâmico de crescimento e realização do que como um fardo a carregar a vida inteira.

Também nos custa deixar mais espaço à consciência dos fiéis, que muitas vezes respondem da melhor forma que podem ao Evangelho no meio dos seus limites e são capazes de realizar o seu próprio discernimento perante situações em que se rompem todos os esquemas. Somos chamados a formar as consciências, não a pretender substituí-las.

Neste sentido, a Encíclica Humanae Vitae e a Exortação Apostólica Familiaris Consortio devem ser re-descobertas com a finalidade de despertar a disponibilidade a procriar, em contraste com uma mentalidade hostil à vida. Continua a ser válido o que ficou dito com clareza, no Concílio Vaticano II.

Os cônjuges, “de comum acordo e com esforço comum, formarão retamente a própria consciência, tendo em conta o seu bem próprio e o dos filhos já nascidos ou que preveem virão a nascer, sabendo ver as condições de tempo e da própria situação e tendo, finalmente, em consideração o bem da comunidade familiar, da sociedade temporal e da própria Igreja. São os próprios esposos que, em última ins-tância, devem diante de Deus tomar essa decisão”.
PAPA FRANCISCO
em Amoris Laetitia



CARTA ENCÍCLICA
HUMANAE VITAE
I. ASPECTOS NOVOS DO PROBLEMA E COMPETÊNCIA DO MAGISTÉRIO
Estudos especiais

5. A consciência desta mesma missão levou-nos a confirmar e a ampliar a Co-missão de Estudo, que o nosso predecessor, de venerável memória, João XXIII tinha constituído, em março de 1963. Esta Comissão, que incluía também alguns casais de esposos, além de muitos estudiosos das várias matérias pertinentes, tinha por finalidade.

Primeiro, recolher opiniões sobre os novos problemas res-peitantes à vida conjugal e, em particular, à regulação da natalidade; e depois, fornecer os elementos oportunos de informação, para que o Magistério pudesse dar uma resposta adequada à expectativa não só dos fiéis, mas mesmo da opinião pública mundial. Os trabalhos destes peritos, assim como os pareceres e os conselhos que se lhes vieram juntar, enviados espontaneamente ou adrede solicitados, de bom número dos nossos irmãos no episcopado, permitiram-nos ponderar melhor todos os aspectos deste assunto complexo. Por isso, do fundo do coração, exprimimos a todos o nosso vivo reconhecimento.

A resposta do Magistério
6. As conclusões a que tinha chegado a Comissão não podiam, contudo, ser consideradas por nós como definitivas, nem dispensar-nos de um exame pessoal do grave problema; até mesmo porque, no seio da própria Comissão, não se tinha chegado a um pleno acordo de juízos, acerca das normas morais que se deviam propor e, sobretudo, porque tinham aflorado alguns critérios de soluções que se afastavam da doutrina moral sobre o matrimônio, pro-posta com firmeza constante, pelo Magis-tério da Igreja. Por isso, depois de termos examinado atentamente a documentação que nos foi preparada, depois de aturada reflexão e de insistentes orações, é nossa intenção agora, em virtude do mandato que nos foi con-fiado por Cristo, dar a nossa resposta a estes graves problemas.
PAPA PAULO VI
(25/07/1968)

Serviço:

A Mulher e a Família na História da Igreja Católica
Mário Zocchio Pasotto

Scortecci Editora
Religiosidade
ISBN 978-85-366-4597-1
Formato 14 x 21 cm  
148 páginas
1ª edição - 2017

Mais informações:

Catálogo de Publicações


Para comprar este livro verifique na Livraria e Loja Virtual Asabeça se a obra está disponível para comercialização.
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home