Receba nossa Newsletter: Nome Email

DIAS DE OUTRAS POESIAS / Dias de Cordel


O Tico deixou saudade
Morreu no mesmo lugar
Na praça, onde a bondade
De alguém o quis adotar
Depois foi envenenado
Por um mal-intencionado
Antes de se acidentar...

A vida é dura, pra quem é mole

Quer que seja menos dura
Não pare e nunca extrapole
Dependendo da postura
É dura, pra quem é mole
Conforme seja a tendência
Pode gerar dependência
E estraga até tua prole.

É como uma ditadura
Que mata e manda ao Além
Mas se houver desenvoltura
Contra a dureza que vem
O equilíbrio emocional
Pode ser fundamental
Pra ficar como convém...

Mas na hora de morrer
Não há nada que dê jeito
Nem dá pra se aquiescer
Que a morte tenha o direito
De ser tão dura, implacável,
Cem por cento abominável,
Isso é falta de respeito...
Busca interminável

A vida é busca incessante

Pois se resume em buscar
No mundo, o mais importante
Que a vida pode nos dar
E além da busca que existe
Na imaginação persiste
Algo mais pra se buscar.

Pensar às vezes transcende
Ao que está posicionado
Pois o ego, claro, entende
Mesmo sem ser revelado
E quando se autodestrói
Obviamente o que mais dói
É ter, na busca, falhado.

Nosso pensamento quer
Mergulhar na escuridão
Pra ‘clarear’, se puder,
Qualquer que seja a questão
E ultrapassando essa busca
A mente humana rebusca
Em busca de mais ação.

Cariri, cordel maior

Estou me aguentando aqui
Mas logo eu vou regressar
Sem dúvida, pro Cariri
Pra ver um bardo ‘cantar’
E quero ouvir lá na feira
Um Cordel à brasileira
De um Poeta popular...

Meu Cordel é verdadeiro
Pois assim sempre o senti
Há Cordel no mundo inteiro
Mas nenhum como o daqui
Que é meu centro de atração
E do Cordel, por que não?
Em Crato e no Cariri...

Esse oásis do Nordeste
Sempre foi abençoado
Exporta cabra da peste
Pra qualquer que seja o lado
E eu que sou parte da história
Quero deixar, de memória,
Meu Cordel bem ritmado.

Dias de Poesia

Meus Dias são de poesia
E esses Dias vão dizer
Que outros Dias, quem diria,
São mais Dias de entender
O que em Dias for possível
Pra que um Dias indizível
Tenha em Dias, tudo a ver.

Dias são a realidade
Em Dias de fantasia
E esses Dias na verdade
São os Dias que eu queria
Claro que em Dias de prosa
Virão Dias cor-de-rosa
Com mais Dias de poesia.

Dias de amabilidade
São Dias que eu gostaria
Fossem Dias de amizade
Sem Dias de hipocrisia
Com Dias de todas as cores
Em Dias com mais amores
Pois são Dias de poesia.

Poesia

Pra tudo existe poesia
Se eu tiver algo a dizer
Mas claro que não diria
Sem de poesia entender
Pois com ela acho possível
Dizer o que é indizível
Do jeito que eu escolher.

Ela faz a realidade
Transformar-se em ‘fantasia’
Sem desistir da verdade,
Da vida e da galhardia
E a mim diz: Chega de prosa!
Faço o mundo cor-de-rosa
Pra quem gosta de poesia.

Tendes sensibilidade
Pra senti-la em harmonia?
Há nela, criatividade
Isenta de hipocrisia
Pinta a vida em várias cores
E atrai todos os amores
Porque, afinal, é poesia.

Serviço:

Dias De Outras Poesias
Uma Poesia nos diz/Tudo o que ninguém diria
Pois alguém se contradiz/Distorcendo uma Poesia
Sem que haja capacidade/ Poesia há, sem qualidade 
Porém dizem que é Poesia.
Dias de Cordel
Scortecci Editora 
Poesia
ISBN 978-85-366-5942-8
Formato 14 x 21 cm 
76 páginas
1ª edição - 2019 

Mais informações:

Para comprar este livro verifique na Livraria e Loja Virtual Asabeça se a obra está disponível para comercialização.
Voltar Topo Enviar a um amigo Imprimir Home